Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2017

send the clowns!!!

Imagem
Isn't it rich?
Are we a pair?
Me here, at last, on the ground
You in mid-air
Send in the clowns

Isn't it bliss?
Don't you approve?
One who keeps tearing around
One who can't move
Where are the clowns?
Send in the clowns

Just when I'd stopped opening doors
Finally knowing the one that I wanted was yours
Making my entrance again with my usual flair
Sure of my lines
No one is there
Don't you love farce?
My fault, I fear
I thought that you'd want what I want
Sorry, my dear
But where are the clowns?
There ought to be clowns
Quick, send in the clowns

What a surprise!
Who could foresee?
I'd come to feel about you
What you felt about me
Why only now, when I see
That you've drifted away?
What a surprise
What a cliche

Isn't it rich?
Isn't it queer?
Losing my timing this late in my career
And where are the clowns?
Quick, send in the clowns

Don't bother
They're here (Stephen Sondheim)


Nos últimos dias, tivemos duas perdas muito relevantes, no universo dos que fazem rir. Paulo Silvin…

cola, instituição coxinha

Uma coisa que me deixa com raiva é o hábito que muitos alunos têm de colar. Aí é aquela coisa quase desesperada, os caras e minas não confiam em seus cérebros, não acreditam em reservar u ma meia horinha, quem sabe uma, de seu dia, para ler, ler coisa que preste. Preferem ficar engendrando bilhetes em letra minúscula, enfiados sabe Deus onde, para poder consultar na prova, achando que o/a docente é idiota ou coisa do tipo.
Pessoalmente, como ex professor e atual aluno, recorrer a tal artifício é atestado de canalha. É dizer pro professor, pra professora: "é, não estou nem aí de usar meu tempo para me dedicar a essa matéria chata, que nunca vou precisar pra nada, eu é que sei, sou o/a cara!" ... E a pessoa vá afirmar coisas que não sabe na prova, gerar uma nota fictícia e um rótulo sapiente falso.
Corta. Vemos o avanço do "pensamento" à la droite que polui os dias de hoje, com os olavos da vida se dizendo filósofos, os avatares antipetista se revelando pulhas de ma…

de Robertas e Josés...

Pois é. Deu no Pragmatismo e no Brasil 247: essa história me encantou, e me fez lembrar de outra, acontecida há uns 2.000 anos atrás. Uma moça rica, tinha tudo para ser totalmente focada na futilidade e ensimesmada. Sqn. A herdeira de um fundo milionário do banco Credit Suisse, corretamente administrado por seus familiares, a mineira Roberta Luchsinger decidiu dar uma resposta ao juiz Sérgio Moro, por ocasião do bloqueio de todas as contas do ex-presidente Lula, inclusive o fundo previdenciário de R$ 9 milhões: abriu uma campanha de doações a seu favor, como forma de desagravo.  
Roberta então começou doando a polpuda mesada que recebia de seu avô, falecido há um mês, e uma coleção de objetos de luxo que totalizam R$ 500 mil. "É uma doação simbólica, estava todo mundo só batendo no único homem que pegou e fez alguma coisa pelo Brasil", disse ela. E resumiu: "Falar mal do Lula é agredir o país". Concordo com ela. Desde que a presidente Dilma foi impichada,…

Mão de Pedra e Coração de Ouro

Pois veio uma notícia no mínimo simpática de um atleta que admiro um monte. Nessa última segunda-feira (14), Acelino Popó Freitas, comentou, com sua naturalidade e simplicidade: “estou aqui, em primeira mão declarando para vocês: ‘Eu tenho um filho de 17 anos que é gay. Meu tratamento com ele é de igual para igual. Tem muitos pais que até num dia como o de hoje botam para fora, maltratam. Mesmo sendo lutador de boxe, que tem aquela coisa do machismo, do homem que bate, temos que tratar nossos filhos como nossos amigos. Se não tratarmos bem em casa, na rua vão maltratá-los”. 
Popó foi apresentado ao namorado do filho, que revelou a orientação para a família. Aliás, o guri tem motivos pra estar meio inseguro, sabe como é, o sogrão bate bem pra caramba... Em sua conta no Instagram, Popó já havia pedido respeito aos homossexuais com uma foto de um coração com as cores da bandeira LGBT e a legenda: “Meu filho é, e daí? #respeito”.
O baiano Popó foi um grande fenômeno no boxe. De o…

Para um Pajador

(com a voz da Sophia...música de autoria nossa, letra com alguns versos da Sophia e o resto de nossa autoria)


Já são seis horas A água chiando Um ronco do amargo E o sol pelo campo Ouço milongas Y una vieja payada La guitarra sonando Y una voz que me grita asi

Eu quero estar Em qualquer lugar No céu ou no mar Na estrada de pó Eu cantador Das coisas que vi Do que nem sonhei Em viver ou ser assim

É meia-noite Mãe da lua voou E uma estrela cadente Céu da pampa riscou Un payador Canta versos y embrujos Conta lendas e causos Para a noite iluminar

Eu quero estar Em qualquer lugar No céu ou no mar Na estrada de pó Eu cantador Das coisas que vi Do que nem sonhei Em viver ou ser assim Em viver ou ser assim Em viver ou ser assim

espantando uma crise criativa

Bah. Uma das coisas que mais estou gostando nesse processo todo de ter voltado a estudar Música de forma decente e, na medida do factível, organizada, é a profusão de ideias musicais que aparecem. As experiências no curso fazem brotar várias linhas harmônicas e suas melodias a tiracolo, com uma facilidade que não experimentava há tempos. De repente, harmonias que transitam entre o bossanovístico, o clubesquineiro, o samba-choro e o gaudério milongueiro aparecem aos dedos, tornando-se base para melodias modéstia às favas interessantes.
A questão é que, nem sempre, as palavrinhas acompanham o pensar musical na mesma velocidade. De meus dedos, várias sequências harmônicas anseiam por virar música com letra bonitinha e tudo, dessas de ter orgulho de tirar o violão do case e sair tocando com cara de feliz. Tenho algumas várias, transitando entre o samba-choro, o samba "de verdade", a milonga urbanizada, a bossa enjazzada e por aí vai. Há um arranjo feito sobre uma música de roda…

mais uma receita (esse tem nome)

Calma, galera, este blogue é livre, não é que nem os jornais dos anos 60 e 70 que trocavam as notícias ligadas às truculências e safadezas dos governos militares de então por receitas. A que mostro agora eu batizei de Macarrão da Karina, em homenagem à própria, que degustou o referido numa avidez daquelas... lá vai!
Primeiro, faça o macarrão. O que tiver em casa, de preferência um integral, bem saudável. Cozinhe em água, qsp, um fio de azeite, pouquinho de sal e deixe fervendo junto duas a três colheres de cebolinha bem picada.
Ok. O macarrão está cozinhando. Prepare um molho branco, lá vai a dica, leva: 1 colher de sopa de farinha de trigo1 colher de sopa de manteiga½ litro de leite quente1 tablete de caldo de galinha ou de legumesPimenta do reino e noz moscada a gosto  Vamos lá, cuidando pra massa não passar o ponto. Faz o molho, derrete primeiro a manteiga em uma panela, pode colocar um pouquinho de azeite de oliva pra dar personalidade. Acrescente a farinha de trigo de uma única v…

e o Darwin Awards vai para.....

Imagine um prêmio cujos contemplados não vivem para recebê-lo...literalmente! Pois o Darwin Awards é uma premiação internacional cujo principal objetivo é saudar a evolução humana, honrando aqueles que, ainda que de forma acidental e pra lá de bisonha, acidentalmente se matam, permitindo que o ser humano não tenha os genes dessas toupeiras incorporados ao genoma da Humanidade. Assim, ao se auto-destruírem de modo tosco (e bota tosco nisso), esses babacas eliminam os seus “maus genes” e assim sendo contribuem para a melhoria do pool genético da humanidade. E tem o site, bem bacana: www.darwinawards.com para ser visitado!!
E olha... tem muita gente que "ganhou" o troféu, até o famoso padre brazuca dos balões ao mar... Catamos aqui alguns dos "ganhadores" desse inusitado troféu à imbecilidade humana:
• O terrorista iraquiano Khay Rahnajet enviou uma carta-bomba, mas, como bom babaca que se preza, não colocou selo suficiente... Obviamente que a carta voltou para o d…

Luz

Bom, o clipe toscamente feito abaixo tem sua historinha. Em 1999, ou seja, faz tempo, havia um evento promovido pela Igreja Metodista, o Musicarte. Nesse evento, além de oficinas de composição, bonecos, teatro, etc e o que pintasse, haviam as mostras de música. Numa delas, a de 99, a comadre Gianice pediu a um colega de Colégio Americano, também professor da casa à época, para musicar um poema seu. O colega era "apenas" o Pery Souza, ex-Almôndegas, um baita compositor, músico, com formação em Composição e Regência pela UFRGS, e que hoje está em situação delicada de saúde.
O resultado foi uma canção chamada "Luz", que a gente fez arranjo para que ela e meu também compadre, o Felipe Aço, cantassem na mostra. Fizemos bonito, a melodia foi considerada a melhor do evento (bom, com um melodista do naipe do Pery, é chover no molhado, ele é O cara no tema!).
Anos mais tarde, em meio a toda a comoção gerada pelo estado atual do grande músico, me lembrei que havia um regist…

mais um pouquinho de nossa produção: Cantiga

Bom, "Cantiga" é das minhas composições mais antiguinhas, datando de 1985 (pois é...). Tenho um carinho especial por ela, tanto pela questão de tempo quanto pelo seu jeitão, sei lá! Aqui, envio uma versão dela, gravada em 2006, com a voz da Tábita Rotter e nosso violão. Espero que curtam!

Em breve, colocaremos mais de nossa produção autoral!

parabéns!!!!

Imagem
Chefia, parabéns por (mais um!!!) aniversário!!

au revoir, Mme. Moreau!

Imagem
Todos sabem que, no dia em que tiver carteirinha do Clube da Esquina, eu quero estar na fila pra tirar a minha. Pois a grande safra de músicas geniais, criadas a partir da amizade entre Milton Nascimento, os Borges, Beto Guedes, Toninho Horta, Nelson Ângelo e outras lendas teve como estopim o filmaço de Truffaut, em 1964. Pois Márcio Borges convenceu, após muita insistência, ao amigo Bituca a assistir com ele Jules e Jim.
Pausa. Nesse filme, a atriz Jeanne Moreau interpreta a linda Catherine, personagem amada pelos dois amigos do título. Milton resistia a acompanhar o amigo, excitadíssimo desde que vira o drama pela primeira vez, em Belo Horizonte. Dizia que nenhum filme poderia ser tão brilhante como descrito. Afinal, lembra o famoso adágio: "leia o livro, veja o filme, espanque o diretor que não entendeu patavina". Mas foi. O diretor entendeu o espírito da coisa. E eles chegaram à projeções às duas da tarde, e só saíram do cinema às oito da noite, após três sessões …